quinta-feira, 1 de abril de 2010

Dos dias de solidão

Tenho angústias que me consomem dia após dia 

nunca 
se 
vão


.
.
.


Às vezes, parecem ser minhas únicas companheiras.

14 comentários:

Ewerton SA disse...

:S

Eu tô aqui, rainha! =*
(F)

Prixty disse...

ow, não gosto de ver pessoas angustiadas, principalmente quando acham que a tristeza é sua única companhia. D:

Thayse disse...

mas a solidão não precisa ser necessariamente uma angustia Buh, ela pode sim ser companheira desde q não seja constate né? ;D

Nathália Nóbrega disse...

Eu concordo com a pessoa que escreveu o comentário acima. Acho que a pior solidão é aquela que é vivenciada mesmo tendo pessoas ao nosso redor.

As vezes nós mesmos é que fazemos nossa própria solidão e nossas angustias. Só temos, é claro, que fazer com que essa solidão não seja constante.

BJu =*

Bruna de Sousa disse...

Minhas angustias não são necessariamente coisas ruins.
O título se chama Dos dias de solidão porque são nesses dias - quando me encontro sozinha - onde eu paro e olho pra dentro. É quando eu consigo enxergar essas angústias dentro de mim...

Mas calma, gente. Não me sinto triste e nem tampouco solitária.
Angustia todo mundo tem, não é mesmo?
E creio que as minhas são meio que "construtivas".

Mas obrigada pela preocupação.
Vocês são muito fofos. :*

Jaime Guimarães disse...

Mas às vezes é bom lidar com a solidão. Porque é nela que nos conhecemos e fazemos lá nosso exercício de reflexão. Vem a angústia, por óbvio, e todos carregamos algumas ao longo dos dias, em maior ou menor intensidade. E até nos livramos de algumas. É difícil e por isso mesmo é um bom exercício.

Bj, Bruna.

Mel Almeida disse...

Todo mundo tem esses momentos, e acredito até, que têm que passar por eles! Como você disse, é nesses momentos que a gente olha pra si mesmo e vê coisas que precisam de nossa atenção. Precisam ser refletidas...
Refletir nossas angústias e jamais esquecer quem está do nosso lado, é isso aí!

Beijão, Bruna!

jefhcardoso disse...

Olá Bruna! Esta semana estou divulgando uma “nova” postagem. Trata-se de um conto; que na verdade vem a ser uma reedição de meu blog. Sua postagem original ocorreu em 13.02.09; sendo esta a minha terceira postagem no blog. Naquela ocasião este texto não recebeu nenhum comentário. O texto é “O Sr. e o Dr.”. Espero que você, tendo um tempinho, o aprecie.
Um grande abraço, minha gratidão e desejo que tenha uma ótima semana!

Jefhcardoso

Dj Incógnito disse...

Não fique assim, pois sempre estarei por perto pra te fazer companhia e rirmos da vida como nos tempos de Projovem.

Beijos, saudades Mil!!!!!

Allysson Allan disse...

De acordo com a solidão.

Afinal, por que reclamas?

Só lhe dão!

RobertoArαujo disse...

Quando estas te fizerem companhis, chame-me e me juntarei a vocês.

.Mari. disse...

Me sinto exatamente das mesma forma. E te ofereço a solidariedade de quem entende.
Beijos.

Willyan Luemi disse...

A solidão se faz por vezes necessária.
E ela pode acontecer quando estamos sozinhos,
Quando estamos cercados por multidões...
A solidão não distingue esses tipos de coisa.
Ela sempre abre-nos a porta da mente,
Para encontrarmos dentro de nosso breve silencio, um significado real para tudo o que acontece.

Um abraço, Menina de luz!

.Mari. disse...

Recomendo um poema no meu blog novo: versos-clandestinos.blogspot.com

O título é: E o que me resta

Fala sobre um tipo de angústia também.
{Ps.: Creio que todos os poemas que eu escrevo expressem mesmo que nas entrelinhas, certa angústia, rs}

Beijos.

Postar um comentário